Seminário na Ilha Grande terá como tema o dashico

Compartilhe!

Tempero de origem japonesa era fabricado na Ilha Grande durante o ciclo da sardinha.

A Prefeitura de Angra dos Reis, por meio da Secretaria de Aquicultura e Pesca, e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) realizam entre os dias 19 e 20 de junho (domingo e segunda), o seminário “Aprenda a produzir e comercializar o dashico e outros produtos alimentícios artesanais”. O evento será na Ilha Grande, na Escola Municipal Brasil dos Reis (praia de Matariz), e faz parte do projeto “No Tempo do Dashico”, que além de fomentar a retomada dessa antiga técnica artesanal, conta com a produção de um documentário.

O filme, que tem estreia prevista para o dia 7 de julho, retrata a história dos imigrantes japoneses na Ilha Grande, o ciclo econômico da sardinha, liderado por eles, e a importância desse saber tradicional quase em desaparecimento na comunidade local.

O dashico é um tempero usado como base para caldos e sopas – a exemplo do missoshiro, largamente consumido nos restaurantes japoneses no Brasil hoje em dia. Na segunda metade do século XX, a comunidade japonesa da Ilha Grande produzia o dashico a partir de uma técnica artesanal tradicional. Utilizava-se a sardinha, pescado abundante na região. O peixe era seco e defumado e comercializado para os imigrantes japoneses residentes no estado de São Paulo.

O filme e o seminário estão sendo viabilizados por meio de um convênio com o Iphan, após um edital de chamamento público de “Apoio e fomento ao patrimônio cultural imaterial de grupos de imigração”, que destinou recursos para a pesquisa, registro e fomento de saberes e manifestações culturais desses grupos que exerceram importante influência na formação da sociedade brasileira.

Angra dos Reis é o principal produtor de sardinha do Brasil. Na segunda metade do século XX, sobretudo entre as décadas de 1950 e 1980, o município chegou a abrigar 23 indústrias de beneficiamento do pescado. Dezenove delas eram de propriedade dos imigrantes japoneses. A comunidade japonesa desempenhou importante papel na história e sobretudo na pesca de nossa região. Esse projeto nasceu a partir da concepção de representantes da comunidade japonesa da Ilha Grande, e a Secretaria de Pesca reconheceu a importância de apoiar.

— Preparar o dashico não é apenas defumar e secar o peixe. Embora simples, a técnica é meticulosa e delicada. Aprende-se muito mais que a confecção de um tempero. É sobre esse e outros assuntos que conversaremos no seminário na Ilha Grande — esclarece Amanda Hadama, coordenadora técnica do projeto.

O seminário “Aprenda a produzir e comercializar o dashico e outros produtos alimentícios artesanais” terá quatro módulos com os seguintes temas: fabricação artesanal do dashico, regras sanitárias de preparação, como organizar o seu negócio e como comercializar o seu produto. As palestras se destinam não só àqueles que desejam explorar o dashico, mas também aos demais produtores de itens alimentícios, como a farinha de mandioca, bolos, geleias e salgados.

SERVIÇO:

Seminário Aprenda a produzir e comercializar o dashico e outros produtos alimentícios artesanais
Local: Escola Municipal Brasil dos Reis
Praia de Matariz – Ilha Grande
Angra dos Reis – RJ.

PROGRAMAÇÃO:

19/6 — Domingo
16:30 – Fabricação artesanal do dashico
18:00 – Como comercializar o seu produto
20/6 — Segunda-feira
18:00 – Como organizar o seu negócio
20:00 – Regras sanitárias para preparar, armazenar e transportar o seu produto

INFORMAÇÕES

Secretaria de Pesca e Aquicultura
TEL: 3377-1780
EMAIL: [email protected]

Redação

Site de notícias da região da Costa Verde fluminense: Angra dos Reis, Mangaratiba e Paraty.