Anvisa reprova lote de testes rápidos comprado por Angra

Compartilhe!

Segundo a ANVISA, um lote de testes rápidos para Covid-19 testados pela Fiocruz apresentou falhas. A Prefeitura de Angra admitiu que parte dos exames que comprou é deste lote e que alguns foram utilizados na testasgem de pacientes.

Nesta quinta-feira, 14, surgiu a notícia de que um lote os testes rápidos para o Novo Coronavírus, adquiridos pela Prefeitura de Angra, teria sido reprovado em análises aplicadas pela Fiocruz e que por isso teriam sido recolhidos das Unidades de Pré-Atendimento Covid-19. A informação foi trazida a público pelo vereador Zé Augusto, durante a sessão da Câmara.

Horas depois, a Prefeitura de Angra veio a público admitir o problema e afirmou que recolheu os testes e que buscará reparação caso eles sejam definitivamente suspensos.

Atualização 16/05 – 17h40: Inicialmente a Prefeitura de Angra havia garantido que os exames deste lote não teriam sido aplicados. Após esta publicação, recebemos uma nova informação que alguns deles foram utilizados.

Monitoramento da Anvisa reprova lote de testes

A Anvisa divulgou, nesta segunda-feira, 11, um informe sobre o Programa de Monitoramento Analítico de Produtos para Diagnóstico in vitro de Covid-19, criado por meio de uma parceria com o Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz).  O objetivo é aferir o desempenho dos produtos que estão sendo colocados para consumo no país, visando garantir a segurança e a eficácia dos testes. 

Dos 13 lotes de testes rápidos (de marcas variadas) que foram analisados, apenas um foi considerado insatisfatório, o COV2003006, da MEDTEST CORONAVÍRUS (COVID-19) IgG/IgM, fabricado pela empresa chinesa HANGZHOU BIOTEST BIOTECH. Exames deste lote estão entre os adquiridos pela Prefeitura de Angra em uma compra emergencial.

De acordo com a Resolução nº 1457/2020, a falha nestes testes pode indicar falso negativo, ou seja, uma pessoa que foi testada negativa para o Covid-19 pode na verdade estar infectada pelo Novo Coronavírus. Por conta deste problema, foi determinada uma Interdição Cautelar neste lote de testes.

Considerando o Laudo de Análise Fiscal 1342.1P.0/2020, emitido pela Fundação Oswaldo Cruz – Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde, que apresentou resultado insatisfatório no ensaio de sensibilidade, sendo que em 20 amostras verdadeiramente positivas para COVID-19 para IgM e IgG, não foi encontrado resultado Falso Negativo para COVID-19 IgG e 03 resultados falso negativos para COVID-19 IgM, na amostragem analisada. O produto apresentou falhas e marcações indeléveis da linha controle em 71% dos cassetes analisados (71/100), como também nas linhas teste 15% dos cassetes analisados (03/20), implicando em resultados falso negativos.“.

Prefeitura de Angra Recolhe testes

Os testes que aparecem nas caixas desta foto são do mesmo lote que apresentou problemas.

Na noite de quinta-feira, 14, a Prefeitura de Angra informou que dos 10 mil testes rápidos adquiridos pelo município, 2500 são do lote que apresentou problemas e que buscará reparação junto ao fornecedor caso a suspensão seja definitiva.

“Foram adquiridos pela Prefeitura 10 mil testes rápidos. Na última quarta-feira, 13, ao final do dia, a Secretaria de Saúde verificou na página da Anvisa a recomendação para suspender a utilização de alguns lotes deste tipo de teste rápido. Como em Angra dos Reis havia um lote, ele foi imediatamente retirado e substituído da rede pública de saúde. “

“Vale ressaltar que mais de 3 mil testes já foram realizados em pacientes suspeitos de Covid-19, profissionais de saúde, abrigados em asilos e usuários da Casa Abrigo, entre outros espaços coletivos. Os testes rápidos auxiliam o município a identificar contaminados, aplicando o tratamento adequado o mais rápido possível, além de mostrar os locais com maior incidência para maior eficácia nos trabalhos de barreiras sanitárias. Para exemplificar ainda mais a eficácia dos testes rápidos, dos 400 casos confirmados de Covid-19, 310 foram detectados pelo teste rápido e apenas 90 pelo Laboratório Central de Saúde Pública, o Lacen”.

Segundo informações da Anvisa, apenas este lote foi suspenso temporariamente, o que representa cerca de 2.500 testes rápidos em Angra dos Reis. A dúvida da agência é sobre o percentual de acerto em seus resultados negativos, já que o positivados são inquestionáveis. Caso esta parcela dos testes seja definitivamente suspensa, a Prefeitura vai buscar junto ao fornecedor a substituição dos mesmos ou a devolução dos recursos empregados na aquisição dessas unidades.

Testes Rápidos custaram R$2,2 milhões

Segundo informações do Secretário de Saúde, Rodrigo Mucheli, Angra dos Reis comprou 10 mil kits de testes rápidos, pelo preço de R$220 cada. Um levantamento do Angranews revelou que eles foram adquiridos da empresa Lemarc Produtos Médicos Hospitalares, em contrato emergencial para o qual foram pagos R$2,2 milhões.

Estes testes, fabricados na China pela empresa Hangzhou Biotest Biotech, foram importados pela empresa Medlevensohn Comércio e Representações de Produtos Hospitalares Ltda, são da marca Medteste Coronavírus (Covid-19) IgG/IgM (Teste Rápido) e liberados pela Anvisa no dia 18 de Março.

Vale destacar que originalmente a Prefeitura de Angra afirmou que o número de testes rápidos adquiridos seria de 40 mil. O Angranews já solicitou, via Lei de Acesso a Informação, mais informações sobre esta e outras compras sem licitação.

Saiba mais:

🚫 INTERDIÇÃO CAUTELAR❗️Cumpro minha obrigação de FISCALIZAR, mas infelizmente a PREFEITURA NÃO VEM cumprindo a parte dela que é cuidar da nossa população com responsabilidade!Por MAIS TESTES e que sejam TODOS aprovados, evitando “DANOS A POPULAÇÃO”, segunda a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária.#AngraDosReis

Publicado por Zé Augusto em Sexta-feira, 15 de maio de 2020

Mais de 3 mil testes rápidos já foram realizados na população de Angra. Todos eles com a aprovação da Anvisa.#pmar #saude #covid19

Publicado por Prefeitura de Angra dos Reis em Quinta-feira, 14 de maio de 2020

Redação

Site de notícias da região da Costa Verde fluminense: Angra dos Reis, Mangaratiba e Paraty.