Prefeito de Angra estava com Witzel em helicóptero durante tiros na tenda

FJ no Helicóptero
Compartilhe!

Os tiros dados pelo helicóptero no qual estava o governador Wilson Witzel no último sábado, 04, em um morro do bairro Areal, em Angra dos Reis, continuam a ecoar por todo o país. O que surgiu como uma declaração bombástica do ex-juiz federal, de que estava começando uma “operação para acabar de vez com esta bandidagem que está aterrorizando a nossa cidade maravilhosa de Angra dos Reis”, veio seguida de dúvidas, dias de terror e possíveis consequências políticas e jurídicas para Witzel

No vídeo, no qual um helicóptero da polícia aparece com motores ligados e prestes a decolar, Witzel está acompanhado do prefeito Fernando Jordão e ao fundo, membros da cúpula de Segurança Pública do Estado, alguns policiais e o vereador Sargento Thimóteo, que pouco antes havia gravado um outro vídeo no qual grifava: “seria importante o senhor (Witzel) estar andando pela cidade, para o senhor ver como está a situação aqui, da bandidagem, dos tiroteios”.

A tenda azul da discórdia

Buracos de
Buracos de bala na lona da tenda. Foto: Jornal Extra

Pouco depois do vídeo de Witzel viralizar, começaram a surgir outras imagens pelas redes sociais mostrando um helicóptero idêntico ao ocupado por ele, sobrevoando a comunidade do Areal e abrindo fogo contra o morro. Na sequencia, um segundo vídeo do governador confirmou que ele estava dentro da aeronave e que um policial dentro dela havia disparado contra uma tenda azul, supostamente utilizada por traficantes.

Imediatamente uma segunda versão sobre a utilização desta tenda surgiu e ganhou força, já que segundo moradores da região, ela seria utilizada por evangélicos durante cultos no monte. Ao Angranews e outros meios de comunicação lideranças religiosas confirmaram este fato.

Fernando Jordão confirma que estava no Helicóptero no momento dos tiros

Embora o próprio prefeito Fernando Jordão também tenha publicado um vídeo dentro do helicóptero, sua presença na aeronave no momento dos disparos só foi confirmada nesta sexta feira, 10, em uma entrevista ao programa Talk Show, da rádio Costazul. Jordão afirma que estava presente na hora dos tiros e garante que a tenda é utilizada por marginais.

Aquela barraca lá, que tem há muito tempo, incomoda a todo mundo que passa pela Rio-Santos. Ali não é uma barraca de religiosos, é uma barraca com lona preta, pequeninha, é tipo um ponto de observação do tráfico e foi isso que o pessoal da polícia observou e todo mundo sabe que é um ponto. Inclusive nós temos aí nestas antenas de telecomunicações, no Camorim, nestas áreas, nós temos pontos de observação do tráfico. Agora, só não viu quem não quer. Isso aí é conversa fiada e a polícia fez uma ação responsável, com a presença do governador, inclusive eu tava junto e foi muito bem olhado e não tinha nenhuma pessoa ali neste momento”, afirmou Jordão.

Witzel é denunciado à ONU e OEA após ação em Angra

Wilson Witzel dentro do Helicóptero
Sobrevoo de Witzel em Angra rendeu polêmicas.

Os tiros dados pelo helicóptero em Angra dos Reis também repercutiram no Rio de Janeiro e Brasília. A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) denunciou na última segunda-feira o governador Fluminense, Wilson Witzel, à Organização dos Estados Americanos (OEA), devido à sua política para a área de segurança pública. A deputada Federal Talíria Petrone afirmou que também denunciou Witzel à ONU por conta desta ação em Angra dos Reis.

De acordo com a Alerj, a denúncia informa que, desde sua campanha eleitoral, no ano passado, Witzel vem dizendo que é preciso usar atiradores de elite para “abater” criminosos. Os deputados também pediram que a Procuradoria Geral de Justiça investigue a conduta de Witzel. por participar de Operação Policial

A presidente da comissão, deputada estadual Renata Souza, diz que as declarações do governador em Angra estimulam a violência: “O Rio de Janeiro vive hoje o seu pior momento no que se refere aos casos de morte por intervenção policial, são mais de 400 casos só nos primeiros 4 meses do ano de 2019, é o maior número dos últimos 20 anos. O governador já fez inúmeras declarações públicas legitimando a letalidade policial dentro das favelas e periferias do Rio, o que nos faz pensar que esse aumento expressivo nos números de mortes por ação policial tem relação direta com a permissividade vinda do chefe do executivo”, diz a nota publicada pelo Extra.

o governador nega que tenha havido violação de Direitos Humanos, “Em Angra não houve violações de direitos humanos, não se atirou em nenhuma pessoa. O voo foi de reconhecimento. Tudo absolutamente dentro daquilo que determinam os protocolos. Isso de acusar o governador de genocida, dizer que está atirando em morador da comunidade, isso é absolutamente mentiroso, falso, não há prova de nada, e vão responde por isso “, disse Witzel.

Nesta sexta-feira, 10, o ex-juiz federal afirmou, via Twitter, que “Vamos constituir uma comissão, vamos convidar a todos e vamos à ONU. Vamos à OEA, instituição que eu respeito profundamente, mas que deve saber a verdade dita por nós”.