Operação Lava-Jato investiga se edital em Angra 3 foi direcionado

Obras de Angra 3
Compartilhe!

Os investigadores da Operação Lava-Jato vão aprofundar as apurações sobre a montagem eletromecânica da terceira usina do Complexo Nuclear Almirante Álvaro Alberto, em Angra dos Reis – mais conhecida como Angra 3. A suspeita que recai sobre a Eletronuclear é que tenha ocorrido um esquema similar ao constatado nas refinarias da Petrobras, com fraude na licitação e pagamento de valores indevidos a agentes públicos.

Segundo a suspeita dos investigadores, o edital para a montagem de Angra 3 foi elaborado de forma a privilegiar poucas empresas. Durante a concorrência, apenas dois consórcios foram habilitados: o UNA 3 (formado pelas empresas Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa e UTC) e o Angra 3 (composto por Queiroz Galvão, uma subsidiária do grupo MPE e Techint). As informações sobre as possíveis irregularidades em Angra 3 surgiram após as delações premiadas de executivos da Camargo Corrêa.

Leia a matéria completa no Valor Econômico