Índices de violência em Angra dispararam nos últimos anos

Dados do ISP mostram a evolução do crime em Angra dos Reis desde 2003.

Ação da PM em morro de Angra.

Que a violência em Angra dos Reis vem crescendo nos últimos anos não é surpresa para ninguém, porém dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP) revelam como ela tem evoluído desde 2003. Além disso, comprovam algo que implicitamente já sabemos, que o angrense tem procurado menos a polícia dependendo do crime que foi vítima.

Homicídios disparam

Angra dos Reis figura entre os 123 municípios com o a maior taxa de mortes violentas do país, segundo o Atlas da Violência 2018. Levantamento do Angranews aponta que os Homicídios registrados no município subiram de 89 em 2012 (o ano com o menor índice desde 2003) para 133 em 2015. Em 2016 este número chegou a 111 e ano passado foram 149. Somente nos primeiros meses de 2018 foram 73 homicídios.

Dentro destes números, destacamos o aumento da letalidade policial. Em 2017, 26 pessoas morreram em confrontos com a polícia, no ano anterior foram sete casos. Até abril deste ano já foram 15 mortes.

A quantidade de tentativas de homicídio também assusta. Se em 2013, Angra dos Reis registrou 47 casos, no ano seguinte este número subiu para 82 e em 2015 dobrou, chegando a 164 casos. Em 2016 foram 152 e ano passado 163. Este ano já são 106 ocorrências do tipo.

Prisões e Apreensões de drogas

Embora as estatísticas de crimes tenham aumentado de forma geral, o esforço da polícia no combate à criminalidade também merece destaque. De 2014 para 2015 o número de prisões em Angra dos Reis subiu de 354 para 1380, no ano seguinte este número foi a 1193 e em 2017, 1252 foram presas. Somente este ano 411 pessoas foram levadas para responder por seus crimes.

O índice de apreensão de drogas, por outro lado, manteve-se estável desde 2013, quando foram registradas 423 ocorrência. A exceção foi em 2016, quando foram 349. Em 2017 foram 419 e este ano já somam-se 128 registros. A região da Costa Verde é apontada pela Polícia Civil como ponto estratégico na rota do tráfico internacional de drogas.

Ocorrências em baixa

Chama a atenção que embora praticamente todos os índices de criminalidade apresentem aumento, os índices de registros de ocorrência e o de furtos mostram queda acentuada desde 2013, o que significa que as pessoas estão procurando menos a Polícia.

De 2013 para cá, as ocorrências registradas na 166ª DP vêm caindo significativamente. Naquele ano, foram 6.435 registros, o maior número desde 2003, quando moradores de Angra dos Reis registraram 5.245 ocorrências. Em 2014 começou a queda nestes números, com 6.022 registros. No ano seguinte foram 5719 e em 2017 foram 4.519. Este ano já somam-se 1.594 registros até Abril e a tendência é que os números do ano passado se repitam. Para se ter uma ideia, praticamente todos os tipos de crimes vêm registrando aumento ano após ano.

Perguntamos aos assinantes de nossa página no Facebook se eles já foram vítimas de algum crime e não registraram na delegacia e as respostas mostram a dificuldade de se registrar um Registro de Ocorrência no município. Muitos reclamam da demora para se finalizar o procedimento, outros da distância dos bairros até a 166ª DP (Angra dos Reis) e a maioria acredita que “não vai dar em nada”.

Esta tendência do cidadão de não registrar crimes mais simples, como furtos, pode explicar o gráfico abaixo, que mostra uma clara correlação entre a queda nos Registros de Ocorrência na 166ªDP e as notificações de furto.

Roubos e estelionatos sobem

Nos gráficos abaixo podemos constatar que embora o número de furtos tenha caído, o de roubos quase dobrou entre 2016 e 2017 e nestes primeiros quatro meses de 2018 este índice já ultrapassou o do ano passado, com 670 casos. Roubos de rua em 2017 foram 417, este ano já são 114. Roubo de veículos foram 124 ano passado e neste primeiro quadrimestre de 2018 são 97.

O número de casos de estelionato, que caiu de 201, em 2016, para 181, em 2017, voltou a subir este ano, com 160 registros no quadrimestre.

Esforços ainda não contabilizados

Vale destacar que os esforços que o governo municipal tem feito na área de segurança, como a contratação de policiais pelo PROEIS e a instalação de um disque denúncia municipal, somente devem aparecer na próxima série do ISP, que deve ser liberada nos próximos meses, mas os números até o momento mostram uma tendência no aumento de homicídios, prisões e roubos de rua em 2018. A comparação entre os índices de criminalidade entre os primeiros quadrimestres de 2017 e 2018 você pode conferir nesta matéria publicada no mês passado.

Lembramos ainda que por conta de problemas técnicos no Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Rio (Proderj), sistema que agrega diversos serviços, entre eles os de registros de roubos, a próxima leva de dados deve vir com distorções.

Denuncie!

A denúncia e os registros de ocorrência são elementos muito importantes para a formulação de políticas públicas de segurança. O cidadão que foi vítima de algum crime não precisa ir necessariamente na Delegacia, que em Angra encontra-se no Centro, ele pode registrar alguns tipos de ocorrência pela internet, por meio da Delegacia Online.

Em casos de denúncia sobre atividades criminosas, o cidadão pode fazê-las por meio do Disque-Denúncia Angra (0300 253 1177) ou pelo telefone 190, da Polícia Militar.

Comentários