Hospital de Praia Brava continuará com serviço de obstetrícia

A Fundação Eletronuclear de Assistência Médica (Feam), que administra o Hospital de Praia Brava, afirmou a representantes da Prefeitura, da Câmara Municipal e do Conselho Municipal de Saúde que não vai interromper o serviço de emergência da obstetrícia, como havia anunciado anteriormente.

A decisão foi comunicada durante uma reunião ocorrida no final da tarde de segunda-feira (18), na Secretaria Municipal de Saúde de Angra dos Reis.

O que vai acontecer, de acordo com o diretor superintendente da Feam, Waldyr Laguna, é que a quantidade de profissionais que trabalham nessa área será reduzida e os médicos vão trabalhar no sistema de sobreaviso. Outra mudança é que os partos programados serão direcionados para a Santa Casa, no Centro de Angra, unidade de saúde referência nas áreas materno-infantil.

O superintendente da Feam informou que chegou-se a essa decisão após ser constatado que o número de partos realizados pelo Hospital da Praia Brava é muito baixo em relação ao que vem sendo gasto para manter a equipe completa, com 14 profissionais. A Feam informou que, ao longo de 2018, foram feitos ao todo 72 partos eletivos, uma média de seis por mês, e mais 15 de emergência, enquanto na Santa Casa são realizados quase 200 mensalmente.

A ideia dos administradores do Hospital da Praia Brava é diminuir o investimento na obstetrícia e ampliar em outras áreas onde há mais demanda. Porém, o secretário de Saúde, Renan Vinicius, o secretário executivo de Saúde, Rodrigo Mucheli, e os vereadores presentes à reunião ( Luciana Valverde, Jane Veiga, Titi Brasil, Sargento Thimoteo, Flavinho, Dedé, Zé Augusto e Canindé) não ficaram satisfeitos com o que ouviram.

Eles querem que o serviço de obstetrícia seja oferecido integralmente, tanto para os casos de emergência quanto para os eletivos. Também desejam que a Eletronuclear invista mais no hospital, ampliando a oferta de cirurgias e exames. Para que isso aconteça, o próximo passo será uma nova reunião com o presidente da Eletronuclear, Leonan Guimarães, que será marcada pelo prefeito, Fernando Jordão.

O secretário de Saúde, Renan Vinicius, ainda explicou que notificou a Feam ontem, relatando que o hospital não pode encerrar os atendimentos de emergência em obstetrícia porque há um compromisso acordado com o município através de um instrumento jurídico, um contrato, que vale para todo o ano de 2019.

– Caso a Feam venha a falhar com sua obrigação dentro do contrato, nós vamos multá-la – garantiu o secretário.

Comentários estão fechados.