Enfermagem de Angra cobra cumprimento de lei sobre carga horária

Profissionais se dizem coagidos pela Prefeitura

Nesta quinta-feira, 28, servidores da Saúde em Angra dos Reis foram à Câmara Municipal cobrar o cumprimento da Lei 3.133/13, que determina que a carga horária dos cargos de Enfermagem, Técnicos de Enfermagem, Auxiliar de Enfermagem e Atendente de Enfermagem seja de 30 horas.
Os profissionais denunciam que estão sendo cobradas 24 horas a mais de plantão destas categorias. A porta-voz da categoria, Rosiane Eleuterio, e o vice-presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Angra dos Reis (SINSPMAR), Mauro Garcia, usaram a Tribuna.

Estamos nos sentindo coagidos pelo abuso de poder dos secretários que assinaram o Boletim Oficial de 5 de fevereiro de 2019, determinando que todos os plantonistas devessem cumprir carga horária a mais, sendo que, como dito, a categoria de Enfermagem é uma exceção por ter lei própria”, disse Rosiane Eleuterio.

Fazemos mais de 30 horas semanais, infringindo a lei, onde se vê que a Enfermagem, além de trabalhar finais de semanas e feriados sem ser contabilizada como carga horária dobrada, ela soma 36 horas semanais, seis horas a mais que não nos são pagas. Somos o tempo todo diminuídos em nossa importância enquanto servidores públicos na execução de nossos direitos”, reivindicou, ainda, Rosiane.

Mauro Garcia, vice-presidente do SINSPMAR, apoiou as reivindicações dos servidores da saúde e aproveitou também para agradecer ao Vereador Zé Augusto pela indicação feita ao prefeito da cidade, Fernando Jordão, para descongelamento do Plano de Cargos, Carreiras, e Remuneração (PCCR) dos servidores.

Pior que não abrir para discussão, é querer retirar o que vocês já têm por lei. Pior que brigar para ganhar, é brigar para não perder. E aí eu pergunto: por que o governo não dialoga? Qual a dificuldade dos secretários de sentar com o sindicato, com a comissão de categorias e dialogar com a gente?”, questionou Garcia.

Comentários estão fechados.