Deflagrada operação contra quadrilha que explodia caixas eletrônicos na região

Foram expedidos 10 mandados de prisão preventiva. Criminosos agiam em Paraty e Angra dos Reis.

Ministério Público Federal (MPF) em Angra dos Reis

A segunda fase da Operação Dillinger, batrizada de Crepitus, foi deflagrada na manhã desta quinta-feira, 13, com o cumprimento de 10 mandados judiciais de prisão preventiva contra acusados de participar de uma quadrilha especializada em roubos a bancos com o uso de explosivos.

Esta ação, coordenada pelo o Ministério Público Federal no Rio de Janeiro (MPF/RJ) conta com o apoio da Polícia Federal (PF), a Polícia Civil de Paraty e Angra dos Reis (RJ) e das Forças Armadas, que fazem uma segunda Operação no município.

De acordo com informações da Agência Brasil, sete mandados estão sendo cumpridos em Angra dos Reis. Outros estão sendo cumpridos no Rio de Janeiro, Seropédica (RJ) e Pardinho (SP).

Assalto em Paraty realizado em março deste ano.

As investigações foram iniciadas pela Polícia Federal (PF) depois do roubo de uma agência do Banco do Brasil e da tentativa frustrada de roubo na Caixa Econômica Federal, ambas em Paraty, em março deste ano.

Segundo a PF, os envolvidos já são alvo de ação penal e respondem pelos crimes organização criminosa, roubo, incêndio, explosão, posse e/ou porte ilegal de arma de fogo de uso restrito e posse e/ou porte ilegal de artefato explosivo ou incendiário.

A investigação revelou ainda que a organização criminosa possui duas células operando em atividades autônomas, sendo a primeira dedicada à prática de roubos a caixas eletrônicos e a segunda sob forma de associação ao tráfico de entorpecentes e delitos correlatos, além de responsável pela segurança, esconderijo e encobertamento da prática delitiva, com intercessão com o “Comando Vermelho” e com o Primeiro Comando da Capita (PCC).

Comentários