Cinco promessas não cumpridas por Fernando Jordão em 2017 e uma meia verdade

Após conquistar 82% dos votos válidos nas eleições de 2016, o prefeito Fernando Jordão, conhecido por algumas promessas que já se tornaram folclóricas, como a despoluição da Praia do Anil, a Transmorros (avenida que ligaria diversas comunidades do Centro) e o Aquário no Clube Comercial; trouxe junto com sua equipe formada (em grande parte) por notáveis de cidades do Vale do Paraíba, uma série de novas promessas, que foram feitas antes e depois das eleições. Após iniciar seu terceiro mandato com um banho de eucalipto das ruas do Centro, vários destes compromissos foram esquecidos ou adiados sem que um prazo fosse dado. Selecionamos aqui algumas destas notícias para 2017 que não se materializaram.

Promessas da TurisAngra

 

No dia seis de Janeiro de 2017, com toda a pompa e circunstância, e com as ilustres presenças do secretário de Estado de Turismo, Nilo Sérgio Féliz e José Bonifácio Sobrinho, o Boni (que foi diretor da TV Globo) e o Pastor Everaldo; a prefeitura de Angra, por meio da TurisAngra, apresentou “um plano com ações planejadas, algumas já em andamento, para ser implantadas com a iniciativa privada” ainda neste ano que está acabando. Entre elas estavam o Teleférico Turístico (que rendeu uma viagem internacional de vários secretários), programa de turismo para moradores, programa de adoção de próprios públicos, Guia, Calendário e Aplicativo do Turismo, criação de Rampa de vôo livre e a consultoria do Hans Donner para a cidade (com criação de um pórtico, etc.).

Entreposto Pesqueiro

 

No dia quatro de Janeiro deste ano, o prefeito Fernando Jordão deu uma notícia muito esperada por todo o setor da pesca do município. O entreposto pesqueiro seria construído na cidade, uma antiga reivindicação da população de Angra dos Reis. Segundo comunicado da prefeitura à época, o pré-projeto já estaria pronto, a obra já foi licitada e a verba empenhada, ou seja, estaria tudo pronto para atender esta demanda, mas passado quase um ano, ninguém nunca mais tocou no assunto. A responsabilidade do governo municipal seria apenas adaptar o pré-projeto à realidade do município. A obra custaria R$4,1 milhões, que viriam de emendas parlamentares.

Encampação da CEDAE

 

No dia 23 de fevereiro deste ano, a prefeitura de Angra afirmou que “selou o acordo pela encampação da Companhia Estadual de Água e Esgoto em Angra pelo Serviço Autônomo de água e Esgoto do município”.

Na época o diretor-presidente do Saae, Paulo Cezar de Souza (PC) afirmou que “esse processo de diagnóstico dos serviços de abastecimento de água e esgoto da Cedae no município deverá terminar no fim do mês de março. Mas independente disto, o Saae já tem ideias para as áreas e instalações a serem encampadas, entre elas projetos de automação, que vão possibilitar uma visão global de todas as localidades de Angra na sede do Saae, com informações precisas sobre vazão, volume de cada barragem, para poder agir rapidamente e fazer manobras e o serviço ser mais rápido e eficiente”.

PC garantiu que o processo todo duraria dois meses, mas o que vimos, além da não encampação da CEDAE pelo SAAE, foi uma falta d’água que se estendeu por meses afetando inúmeras comunidades.

Duplicação da Avenida Ayrton Senna

 

Em março deste ano, o prefeito Fernando Jordão anunciou que em junho deste ano iniciaria as obras de  duplicação da Avenida Ayrton Senna, na Praia do Anil, o que desafogaria o trânsito no local. Segundo ele, na época, a obra (que ainda não saiu do papel) seria uma prioridade de seu governo. A pressa era tanta que o prefeito decidiu não esperar o processo de desapropriação de algumas casas que estariam no caminho da intervenção. Toda a obra ficaria originalmente em torno de R$ 4 milhões, sendo que depois o valor informado pulou para R$10 milhões e ficaria pronta em oito meses.

Reforma do Cais de Santa Luzia

 

No dia 27 de novembro, a Prefeitura de Angra resolveu, por determinação do prefeito e de seu secretário de Governo e Relações Institucionais, reformar totalmente o Cais de Santa Luzia com recursos próprios e iniciou a obra, que deveria ficar pronta antes do Natal e de toda a movimentação esperada com a alta temporada. A obra, de R$400 mil não avançou e o madeiramento do Cais de Santa Luzia continua apresentando riscos para moradores e turistas.

 

Meia verdade: Quem colocou o salário dos servidores em dia?

 

Desde janeiro deste ano o salário dos servidores municipais está em dia, mas o prefeito diz uma meia verdade quando afirma que é por mérito dele. É certo que Fernando Jordão assinou um documento se comprometendo a pagar os recursos que pegou com o AngraPrev para tal feito, mas a decisão do arresto feito nas contas da entidade só foi possível graças a uma ação judicial movida pelo Sindicato dos Servidores Públicos. Sem este trabalho do SINSPMAR, que tem sido negligenciado por Jordão, muito provavelmente o funcionalismo continuaria com atrasos em seus vencimentos.

 

Em 2018 estamos de olho no…

 

Esgotamento sanitário da Monsuaba, retomada do Angra Legal, câmeras de monitoramento, retomada dos conselhos municipais, ampliação da operação SOS Costa Verde, intensificação dos trabalhos pela retomada das obras de Angra 3 e no Brasfels,  Faculdade de Saúde, volta do Passageiro Cidadão, barraquinhas na Praia do Anil, banco de talentos, troca de lâmpadas de postes por LEDs, aumento para o funcionalismo e (claro) a concretização de todas as propostas que não saíram do papel em 2017.

 

Esquecemos alguma promessa de Fernando Jordão para 2017 que deveria estar nesta lista? Deixe aí nos comentários qual foi!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.