Bolsonaro quer revogar decreto ambiental e usar dinheiro saudita para criar ‘Cancún brasileira’ em Angra

_109455689_48981320167_4a7419df04_c
Compartilhe!

O presidente Jair Bolsonaro afirmou ontem que pretende usar recursos do fundo soberano da Arábia Saudita para criar um balneário repleto de resorts inspirado em Cancún, no México, na baía de Angra dos Reis.

O brasileiro jantou nesta terça-feira com o rei Abdullah II, da Jordânia, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, o assessor especial e genro de Donald Trump, Jared Kushner, e o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, na última noite de seu giro pela Ásia e pelo Oriente médio, em Riade, capital saudita.

“Eu propus ao príncipe herdeiro investimento na baía de Angra para nós a transformarmos numa Cancún. Depois de uma explanação, ele falou que está pronto para investir na baía de Angra. Mas isso passa por um projeto para revogar um decreto ambiental”, disse o presidente, que referia-se ao decreto que criou a Estação Ecológica de Tamoios, em 1990, assinado pelo então presidente José Sarney. A área corresponde a uma unidade de conservação federal de proteção integral e ocupa 5,7% da Baía da Ilha Grande.

Na região, onde estão segundo o governo pelo menos 10 espécies marinhas em extinção, não são permitidas atividades como mergulho, navegação, construções e pesca. A revogação depende do Congresso Nacional.

A informação é da BBC Brasil