Angra em alerta por conta da dengue

Em 2016 foram confirmados mais de 400 casos de dengue. Este ano já são seis. Estado espera surto de chikungunya para este ano. Comunidades pedem ação emergencial.

O município de Angra dos Reis permanece em estado de alerta por causa do risco de dengue, zika e chikungunya. O resultado do primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2017, realizado entre os dias 2 e 7 deste mês, mostrou que o índice ficou em 1,1%.

Comunidade preocupada

Moradores da praia de Matariz, na Ilha Grande, fizeram contato com o Angranews esta semana e relataram que estão preocupados com os casos de dengue na comunidade. Segundo eles, há mais de dez pessoas com suspeita da doença no local e há um temor que as ruínas de uma fábrica de sardinha se tornem local para a proliferação do Aedes Aegypt.

Procurado, o Secretário de Saúde de Angra, Gustavo Villa, afirmou que nesta sexta-feira, 20, acontecerá uma reunião para debater estratégias para o combate ao mosquito e que na Ilha Grande os focos do mosquito serão combatidos pela marinha ou exército.

Angra teve mais de mil notificações de suspeita de dengue no ano passado

Foram pesquisados 4.379 imóveis e em 50 foram encontradas larvas do Aedes aegypt (41 residências e nove terrenos baldios). Com esses números, o índice de infestação predial (IIP) foi de 1,1% (de cada mil imóveis vistoriados, 11 possuem formas prematuras do vetor). De acordo com a classificação do LIRAa, o índice de infestação de até 1% é considerado satisfatório. De 1% a 3,9% já é considerado estado de alerta. Acima de 3,9% o índice aponta uma situação de risco.

Nestes primeiros dias de janeiro foram notificados seis casos de dengue em Angra. Em 2016, houve 1.393 notificações no município (493 confirmados, 293 descartados e 607 em investigação), uma redução em relação a 2015, quando houve 9.316 casos notificados (4.848 confirmados, 564 descartados e 3.904 inconclusivos). De acordo com a Secretaria de Saúde, a redução do número de casos – que chegou a quase 90% no que se trata de casos confirmados – se deve à sazonalidade da doença, que faz oscilar a curva de notificações a cada ano, e não à diminuição da quantidade de mosquitos.

Estado espera surto de chikungunya

Apesar da redução dos casos de dengue no ano passado, a previsão da Secretaria de Estado de Saúde é de um surto de chikungunya para este ano no estado do Rio de Janeiro. Por isso, os trabalhos da Vigilância em Saúde e os cuidados por parte da população devem ser redobrados. Neste ano houve um caso da doença notificado em Angra. No ano passado foram 28 notificações. Já a zika tem dois casos notificados neste ano e 2.315 notificações no ano passado.

 

Comentários