Ambientalistas preparam manifestação contra Usinas Nucleares

O ato, que será iniciado na noite deste sábado (10/03) contará com uma vigília no Cais de Santa Luzia (Centro da cidade) e lançamento de lanternas ao mar (Praia da Costeirinha, na Estrada do Contorno), lembrando um ato tradicional do povo japonês, que homenageia seus mortos e antepassados com velas em lanternas de papel, em forma de flor de lótus, colocadas no rio.
Os organizadores recomendam aos participantes que usem roupas brancas, levem água, lanche, colchonetes e não esqueçam que na madrugada pode esfriar um pouco.
A Corrente Humana Mundial está sendo coordenada pelo movimento antinuclear internacional. Ocorrerão manifestações em 104 cidades de quinze países, entre eles Alemanha, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Estados Unidos, França, Inglaterra, Japão, Luxemburgo, Mongólia, Suécia e Suíça. No Brasil, de diferentes formas, a corrente também será realizada em Recife, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Manaus, Salvador e Brasília.
Dentre os objetivos da manifestação se destacam a homenagem às vítimas, cobrar as alterações necessárias para adequar as instalações nucleares a novos padrões de segurança e defender o fim das instalações nucleares.
A Sape, através de materiais de divulgação do ato, lembra que após o acidente do Japão ficou evidente o risco para Angra e as cidades da Baía da Ilha Grande, diante de um plano de emergência sabidamente falho, insuficiente e desconhecido pela população, caso ocorra vazamento nas usinas nucleares.
Lembra também que a única ação concreta publicamente assumida, após a tragédia, foi a promessa de realização de uma nova audiência pública sobre Segurança Nuclear pela Câmara Municipal de Angra dos Reis um ano depois para avaliar as respostas governamentais.

[display_podcast]

 

Comentários