Adolescente de Angra é vítima de boato virtual

Mensagem falsa propagada por perfis anõnimos afirma que ele teria cometido estupro contra uma criança

Mensagem falsa propagada por perfis anônimos em redes sociais afirma que ele teria cometido estupro contra uma criança


Um adolescente de 14 anos, morador da região da Japuíba, em Angra dos Reis está com medo de sair às ruas. Tudo porque foi vítima de uma mensagem falsa que está sendo propagada em diversos grupos das redes sociais. Parentes do jovem procuraram o Angranews, relataram o ocorrido e pediram ajuda para desmentir o boato.

Segundo relato, registrado na delegacia de Angra dos Reis, o estudante teria trocado seu celular por uma arma de airsoft com uma mulher que conheceu por meio de um anúncio veiculado em um grupo de compras do Facebook. Quando a mãe do adolescente descobriu, mandou o rapaz desfazer o negócio, mas era tarde de mais. O homem que intermediou a troca e entregou a réplica ao rapaz, afirmou que já havia vendido o telefone e que o negócio não poderia ser desfeito.

Denúncia falsa foi publicada em um grupo de classificados. Em seguida o jovem passou a ser ameaçado.

Dias depois, uma mensagem com a foto que o rapaz usa no Whatsapp foi publicada em um grupo de classificados de Angra, afirmando que ele teria espancado e estuprado uma criança de quatro anos. Em seguida, o jovem passou a receber ameaças.

O pai do adolescente chegou a fazer contato com o vendedor e armou um flagrante junto com a polícia. O homem chegou a ser levado para a delegacia, onde o caso foi registrado, mas foi liberado em seguida. Ele responderá por calúnia e ameaça.

Vale destacar, que segundo o artigo 26 da Lei 10.826 (Estatuto do desarmamento), “são vedadas a fabricação, a venda, a comercialização e a importação de brinquedos, réplicas e simulacros de armas de fogo, que com estas se possam confundir”. Além disso, disseminar boatos pela internet configura crime, que deve ser denunciado.

Denuncie casos similares!

 

A SaferNet Brasil disponibiliza um canal em que pessoas podem relatar de forma anônima crimes digitais, o site denuncie.org.br. Basta o denunciante colar o endereço da página com conteúdo falso que a organização analisa e encaminha ao Ministério Público. Outra forma de denunciar é ir na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), localizada na rua Professor Clementino Fraga, nº 77 – 2º andar, Cidade Nova, Rio de Janeiro, que também atende pelos telefones: (21) 2202-0281 / 2202-0277

Comentários