Angra 3: TRF-2 nega recurso à consórcio e mantém licitação eletromecânica

Angra 3: TRF-2 nega recurso à consórcio e mantém licitação eletromecânica

O Tribunal Regiona Federal da 2ª Região indeferiu agravo de instrumento proposto pelo Consórcio Construcap-Orteng para retornar à licitação para a montagem eletromecânica da usina nuclear de Angra 3 (RJ-1.405 MW). O grupo foi desclassificado na primeira fase da pré-qualificação da concorrência, que julgou requisitos de habilitação jurídica, regularidade fiscal, qualificação econômico-financeira e técnica. As empresas alegam que são algumas das maiores no ramo no país e tem condições de executar a obra.

A decisão do TRF-2 confirma a decisão tomada na primeira instância, 24ª Vara Federal do Rio de Janeiro. A licitação já está na segunda fase da pré-qualificação, na qual serão examinadas e pontuadas as metodologias de execução dos serviços. A Eletronuclear informou à Agência CanalEnergia que os procedimentos da licitação continuam normalmente, mas o consórcio ainda tem o direito de recorrer na Justiça.

Estão classificados na disputa os consórcios UNA 3 – formado por Andrade Gutierrez, Noberto Odebrecht, Camargo Corrêa – e Angra 3 – composto por Queiroz Galvão, Empresa Brasileira de Engenharia (EBE) e Technit. Eles disputam a realização dos serviços divididos no Pacote 1 e Pacote 2, que incluem montagem de componentes; tubulações; válvulas; bandejas de cabos; suportes de tubulação e de bandejas; instalação de equipamentos de processo; painéis elétricos; lançamento de bandejas e cabos elétricos e de sistemas de instrumentação e controle; facilidades de ventilação e ar condicionado; execução de isolamento térmico e pinturas industriais.

Além do consórcio Construcap-Orteng, foram desclassificados a Skanka e o consórcio Itaorna, formado pelas empresas OAS e Sog Óleo e Gás. Estão em disputa contratos de R$ 1,93 bilhão com a Eletronuclear. A estatal quer iniciar a montagem da usina, atualmente, em obras civis, em agosto. A expectativa é que a operação comercial seja iniciada em dezembro de 2015.

Canal e Energia